Archive for the ‘ Windows Azure ’ Category

Case: Jogo Caça-Palavras para Windows Phone e Windows 8 = Azure (IaaS)


Caça PalavrasOlá pessoal,

Hoje voltaremos a falar de mais um case bem bacana, vou comentar e mostrar um pouquinho do cenário do jogo Caça-Palavras que inicialmente foi disponibilizado para Windows Phone e recentemente liberado para Windows 8.

e385f9d1-0f76-43b2-9f05-2ae077db2996Conversando com o Carlucci (responsável pelo jogo) a algumas semanas, ele comentou que o jogo estava rodando no Windows Azure, então pedi para que compartilhasse um pouco da experiência que está tendo com o Windows Azure e o que o levou a migrar seu jogo de outros ambientes de host.

O porque migrar: as principais razões que o levaram a esta mudança, foram experiências negativas com 3 hosts anteriores ao Azure. Alguns dos problemas foram de instabilidade, um crash que corrompeu toda a base e o jogo ficou um final de semana todo indisponível. Os problemas só não foram maiores porque ele tem um backup diário e conseguiu retornar todo ambiente. Com o Azure ele teve problema uma vez, abriu um chamado e um técnico da Microsoft ligou em seu celular resolveu o problema em minutos.

Recursos que utiliza no Windos Azure: Roda sua aplicação em uma Virtual Machine (instancia small), 21dff3ae-c130-4b18-8607-ebee7b250037o jogo roda no IIS 7.5 e oi desenvolvido em ASP .Net MVC 4 e SignalR com banco de dados SQL Server instalado no mesmo ambiente.

Os números da aplicação: Para o Windows Phone já são mais de 70 mil downloads, e com Windows 8 já passou dos 700 downloads. Em se tratando de requests ao server, no último mês (setembro) foram mais de 15.000.000 e neste mês (outubro/2012) em um único dia foram mais de 750.000.

Onde baixar:
Windows Phone: http://www.windowsphone.com/pt-br/store/app/ca%C3%A7a-palavras/32b8fece-6909-477d-bce7-2afd529a0f59
Windows 8: http://apps.microsoft.com/webpdp/app/caca-palavras/b9eca9f1-697f-46ff-a7db-6e834a2cbcad

 

Considerações pessoais: Antes mesmo de conversar com o André Carlucci eu e minha esposa já jogávamos a algum tempo e falando do jogo propriamente, ele é constituído de um painel com 16 letras onde em um espaço de 2 minutos você deve montar palavras interligando as letras, sem poder ‘pular’ e/ou repetir qualquer uma das letras. No decorrer do jogo é exibido quantas palavras e quantos pontos estamos fazendo, terminando o tempo é exibido uma lista com todas as palavras que encontramos e uma segunda de todas as palavras que não encontramos, na sequencia uma terceira tela exibe um placar geral de todas as pessoas que estão jogando naquele instante, ou seja, não necessariamente que quando você inicie sua primeira partida você terá os 2 minutos, entramos na mesma ‘rodada’ em que os demais jogadores online e com isso sempre rola aquela disputa com a esposa. Vale a pena baixar, distração garantida

Divirta-se e se quiser compartilhar seu case mande um e-mail para lucas_romao@hotmail.com

Grande abraço e sucesso a todos. =)

Lucas A. Romão – Windows Azure MVP
LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/lucasromao
MSN: lucas_romao@hotmail.com
Blog: https://laromao.wordpress.com | Twitter: @LucasRomao
Comunidade Azure Services Brasil | Twitter: @AzureServicesBR

Case: Virtual PASS PT agora no Windows Azure Web Sites


Olá pessoal,

Muito ouvímos falar sobre cases e empresas que utilizam o Windows Azure, mas também imagemuitos me perguntam sobre cases e situações reais de empresas de pequeno, médio porte ou até mesmo de uso pessoal como um blog ou site pessoal. Muitas destas pessoas não querem saber dos ‘mega cases’ ou das grandes empresas, eles querem saber sobre aquela situação mais próxima, aquele caso que é muito parecido com o cenário dele, onde toda situação acaba sendo palpável, de fácil assimilação e que na grande maioria das vezes o cliente/parceiro visualiza o próprio cenário como o apresentado e é o que o ajuda a se mover e o leva a uma efetiva migração.

Recentemente conversando com meu amigo Felipe Ferreiratambém MVP e Presidente do Virtual PASS PT Chapter – ele contava que havia participado de um evento em Curitiba e após assistir uma palestra do Rogério Cordeiro decidiu migrar o site do Virtual PASS PT para o Windows Azure.

O cenário dele é mais ou menos assim:  site em wordpress,  com 1250 posts, +100 horas de videos, 400+ page views por dia e uma base de dados MySQL de 125 MB.

Com o Windows Azure Web Sites hoje temos 3 opções de utilização, free, shared e reserved. O primeiro teste foi feito utilizando uma instancia do tipo free com o banco free disponibilizado pelo Azure para testes, mas logo esbarrou nas limitações da base de dados free com acesso simultâneos (4) e na capacidade de armazenamento em apenas 20 mb.

Como solução, ele contratou uma base de dados adicional diretamente no site da Cleardb e efetivou a migração. Como o próprio Felipe disse, com o Windows Azure eles ganharam em performance e alta disponibilizade, visto que com o host que era utilizado anteriormente existiam problemas constantes de disponibilidade e performance.

Abaixo uma imagem fornecido pelo Felipe no momento em que migrava sua base de dados, foram mais de 30.000 linhas de dados, carregando 100 linhas a cada 3 segundos em media.

InserindoDados

Para acessar o Virtual PASS PT acesse http://www.virtualpass.com.br ou ainda o link direto do Windows Azure Web Sites http://vpassbr.azurewebsites.net/.

Espero que esse post possa ajudá-los e caso você tenha algum case de utilização do Windows Azure independente da feature, deixe-me saber, com certeza tenho interesse em conhecer sua história também.

Um grande abraço, boa sorte e sucesso a todos!!!

Lucas A. Romão – Windows Azure MVP
LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/lucasromao
MSN: lucas_romao@hotmail.com
Blog: https://laromao.wordpress.com | Twitter: @LucasRomao
Comunidade Azure Services Brasil | Twitter: @AzureServicesBR

Deploy utilizando Git no Windows Azure Web Sites


Olá pessoal,

Hoje falaremos um pouco sobre Git e como fazer o deploy de uma aplicação em MVC para o Windows Azure Web Sites.

A idéia deste post não é aprofundar nos detalhamentos técnicos do Git, mas sim mostrá-lo em execução em conjunto ao Windows Azure, abaixo uma rápida visão sobre o Git e alguns links de referência.

O Git, como o próprio site diz, é um sistema de controle de versões distríbuídos free e open source projetado para lidar desde pequenos a grandes projetos com eficiência e velocidade. O projeto foi idealizado por Linus Torvalds que o iniciou em abril de 2005 e em julho do mesmo ano passou a manutenção para um dos principais colaboradores do projeto Julio Hamano.

Abaixo alguns links interessantes sobre o Git:

Agora vamos para a parte prática. Em nosso tutorial faremos o deploy de uma aplicação desenvolvida em ASP .Net MVC utilizando um repositório Git com o Windows Azure Web Sites (WAWS).

Para executarmos o deploy temos alguns pré-requisitos:

Tendo atendido os pré-requisitos começaremos a preparar o nosso ambiente no WAWS para poder recebe ro deploy via Git. Para isso, abra o portal do Windows Azure e clique no nome do seu projeto no WAWS.

Em seguida na guia Dashboard clique em Set up Git publishing

image

O WAWS irá criar seu repositório e depois de alguns segundos…

image

Continue lendo

Dicas: MySQL e Windows Azure Web Sites


Olá pessoal,

Com as novidades sobre o Windows Azure Web Sites, anunciadas no último dia 17 de setembro, entre elas a liberação do Windows Azure Web Sites em modo “compartilhado” para uso em produção sem as limitações iniciais e o suporte a custom domains – veja todas as novidades neste post no blog do Scott Guthrie – muitos parceiros e clientes me perguntam no dia a dia o porquê de termos apenas uma base de dados MySQL para testes (até o momento em que escrevi esse post) e o porquê não termos um GBD nativo para gerenciar esse conteúdo.

Bom, até o momento estes são os recursos liberados na versão Beta, acredito que com o decorrer das semanas mais novidades serão anunciadas, mas enquanto isso não acontece vejamos como conseguimos incrementar nossa experiência.

Baseado nos comentários acima, mostrarei duas dicas simples mas que podem ajudar bastante. A primeira é para quem deseja fazer testes com mais de uma base de dados MySQL de forma gratuita ou não e a segunda é para quem deseja, por exemplo, migrar seu site WordPress para o Windows Azure e não sabe como conectar a esta base existente e mesmo que com algumas limitações consiga ao menos importar seu conteúdo.

Bases MySQL adicionais:

Uma das formas para se obter novas instâncias MySQL é acessar o site da ClearDB, registrar-se e contratar um dos planos oferecidos. Veja o exemplo abaixo.

Primeiro, após acessar o site, iniciamos o cadastro de uma conta no site da Cleardb (não necessita cartão).

image

Feito o cadastro confira o seu e-mail…

image

…e ative sua conta definindo um usuário, senha e dados finais para cadastro.

image

Feito o cadastro, acesse a store (https://www.cleardb.com/store/azure) para verificar as ofertas disponíveis para Windows Azure, lá você encontrará 4 planos de contratação:

image

  • Mercury: Plano FREE, espaço de 20MB, permite 4 conexões e performance classificada como baixa.
  • Venus: Plano mensal $9.99, espaço de 01GB, permite até 15 conexões e performance classificada como moderada.
  • Saturn: Plano mensal $49.99, espaço de 05GB, permite até 30 conexões e performance classificada como moderada.
  • Jupiter: Plano mensal $99.99, espaço de 11GB, permite até 40 conexões e performance classificada como alta.

(valores disponíveis no site até o momento da publicação desse post)

Para o meu exemplo eu escolhi o plano free, escolhi o datacenter que desejo que minha instância seja criada…

image

… e finalizo a criação. (No caso de planos pagos seu cartão de crédito será solicitado)

image

Após a criação, são exibidos os detalhes da minha nova instância.

image

Feito! Agora basta trocar as informações de conexão na sua aplicação e colocá-la em produção! =)

Gerenciando sua base MySQL

Quanto a gerenciar seus dados em uma base MySQL é bem tranquilo também, basta utilizar um client que já esteja acostumado. No meu caso, quando preciso trabalhar com bases em MySQL utilizo o “MySQL Workbench” que é um GBD free e bem bacana para se trabalhar.

Para poder me conectar podemos levar em consideração a princípio dois cenários:

Base MySQL criada no portal do Windows Azure via Windows Azure Web Sites e para acessar basta acessar as configurações do seu Web Site e clicar na guia ‘Configure’ e no grupo ‘connection string’. Lá você encontrará todas as informações para acessar sua base MySQL.

image

Já as bases criadas/contratadas através do portal da Cleardb as informações você encontra no próprio site.

Abaixo uma imagem mostrando uma execução de uma instrução ‘select’ em uma base MySQL no Windows Azure utilizando o ‘MySQL Workbench’.

image

Boa sorte, sucesso e nos vemos nas nuvens! LoL

Abraços.

Lucas A. Romão – Windows Azure MVP
LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/lucasromao
MSN: lucas_romao@hotmail.com
Blog: https://laromao.wordpress.com | Twitter: @LucasRomao
Comunidade Azure Services Brasil | Twitter: @AzureServicesBR

Novidades: Barramento de Serviços e SQL Azure


Olá pessoal,

No dia 07/05/2012 foram anunciados duas novidades, na realidade foi uma extensão no tempo de gratuidade e uma alteração.

A extensão no tempo de gratuidade foi com o Barramento de Serviços, que pode será utilizado sem custo até o dia 31/05/2012, após esta data o serviço será cobrado da seguinte forma:

  • 100 horas de transmissão por $0.10 (aplicado quando utilizado o recurso de Transmissão de Barramento)
  • 10.000 mensagens por $0.01

Maiores detalhes sobre o modelo de cobrança do Barramento de Serviços pode ser visto neste link: Barramento de Serviço.

 

A alteração é relacionada ao SQL Azure, e que foram duas:

  • No campo “Tipo de serviço” no detalhamento da sua conta,  inclui agora o termo "Redundância geográfica”, isso para enfatizar que sua conta de armazenamento é duplicada em um datacenter deslocado da sua região para garantir uma proteção adicional contra perda de dados.
  •   A segunda foi quanto ao nome dos recursos do SQL Azure, que aparecem em sua cobrança (Lembrando que os valores dos recursos não foram alterados, mantendo-se os valores anunciados em 14/02/2012).

E passam a seguir a seguinte nomenclatura:

Nome do tipo de serviço

Nome anterior do recurso
Por mês

Nome atualizado do recurso
na sua cobrança

Web Edition

Banco de dados (banco de dados/mês)

Unidades de banco de dados

Business Edition

Banco de dados (banco de dados/mês)

Unidades de banco de dados (em 10s)

Para detalhes adicionais sobre os valores dos serviços do SQL Azure consulte o seguinte link: http://blogs.msdn.com/b/windowsazure/archive/2012/02/14/announcing-reduced-pricing-on-sql-azure-and-new-100mb-database-option.aspx

 

É isso pessoal qualquer dúvida entre em contato com o suporte do Windows Azure ou se preferir podem me mandar uma mensagem ou comentar o post.

PS: Todas as informações contidas neste post foram extraídas de comunicado feito oficialmente pelo time de Windows Azure.

Boa sorte e sucesso a todos!

Lucas A. Romão – Windows Azure MVP
LinkedIn: http://br.linkedin.com/in/lucasromao
MSN: lucas_romao@hotmail.com
Blog: https://laromao.wordpress.com | Twitter: @LucasRomao
Comunidade Azure Services Brasil | Twitter: @AzureServicesBR

Configurando o Remote Desktop no Azure


Olá pessoal,

Um recurso bem interessante existente desde a versão 1.3 do SDK do Windows Azure, é a capacidade de acessarmos remotamente as roles através do Remote Desktop.

Para utilizarmos este recurso precisaremos de um certificado PFX que contenha uma Chave Privada.

O primeiro passopara chegarmos ao certificados PFX é gerarmos um certificado ‘self-signed’ (auto-assinado), para isso abra o seu ‘IIS’ e dentro do grupo ‘IIS’ abra o ítem “Certificados do Servidor”.

Clique em “Criar Certificado Autoassinado”, entre com um nome para o certificado e clique em ok. Você terá uma tela parecida com a seguinte.

IIS

Neste momento um certificado do tipo X509 acabou de ser criado e Agora iremos gerar o certificado PFX, para isso selecione o certificado que acabou de ser gerado, clique em “Exportar…”, neste momento você deve definir um local onde ele será armazenado e uma senha que será utilizada posteriormente. Ao exportar você terá uma tela como a abaixo em seu processo.

GerandoPFX

O próximo passo é importar o certificado PFX gerado para o “Console de Gerenciamento Microsoft”, para que possamos utilizá-lo em nosso projeto. Clique no “Menu Iniciar” e pesquise por “certmgr.msc”, abra o aplicativo e expanda as pastas “Pessoal/Certificados”.

Após expandir as pastas clique com o botão direita em uma área em branco no quadro do lado direito e clique em “Todas as tarefas/Importar”, efetue os passos para a importação e no final do processo você deverá ter uma tela parecida com a apresentada abaixo:

certmgrMSC

Pronto agora temos o nosso certificado do tipo PFX criado e instalado, bastando agora consumi-lo em nosso projeto ativando o recurso de “Remote Desktop” em nossa aplicação.

Continue lendo